Pular para o conteúdo principal

Japonês vive em ilha deserta como um ermitão pelado


Japonês vive em ilha deserta como um ermitão pelado

Perigosas correntes oceânicas passam pela ilha Sotobanari, no Japão, próxima de Taiwan, onde não há uma gota de água potável e onde pescadores raramente param.

Mas Masafumi Nagasaki, 76 anos, fez dessa ilha seu local de aposentadoria, com um código de vestimenta bem incomum: nada.

Pelado, ele enfrenta tufões e insetos como um ermitão. "Eu não faço o que a sociedade me diz, eu sigo as regras da natureza", diz Nagasaki. "Você não pode vencê-la, por isso temos que obedecê-la por completo".

Magro e com a pele açoitada pelo sol de duas décadas na ilha, o ermitão costumava trabalhar como fotógrafo e depois foi para a indústria do entretenimento. Quando a aposentadoria chegou, ele quis ficar bem longe de tudo.

Ele escolheu Sotobanari, que tem cerca de mil metros de comprimento e que significa "ilha distante exterior", no dialeto local. E sua determinação não demorou a ser posta à prova. Logo no início de sua vida natural, um tufão varreu a ilha e destruiu a maioria das árvores e moitas que ele costumava utilizar quando queria sombra, além de carregar para longe sua única barraca.

"Foi aí que sequei sob o sol", conta Nagasaki. "E pensei que seria impossível viver aqui". Assim, seu embaraço em ficar nu foi sumindo aos poucos. "A sociedade normal pode não aprovar, mas na ilha isso parece o certo, como um uniforme", defende.

O único momento em que veste roupas é quando vai de barco até um vilarejo próximo, distante uma hora de barco, onde ele compra comida e água potável, e recolhe os 10 mil yens que sua família manda para ele viver. O valor corresponde a aproximadamente 220 reais.

Sua dieta consiste basicamente em bolinhos de arroz, que ele cozinha quando a fome bate – cerca de quatro vezes por dia. Já água, para tomar banho e para barbear-se, ele coleta da chuva, com potes.

E, ao contrário do que o senso comum pode pensar, o ermitão japonês tem uma agenda bem rigorosa. Ele começa seus dias fazendo alongamentos na praia. Depois, é uma corrida contra o tempo, em que ele prepara sua comida e limpa sua área de acampamento.

Ele admite que seu estilo de vida não é dos mais saudáveis, mas não se trata disso, segundo Nagasaki. "Escolher um local para morrer é importante. E decidi que aqui é meu lugar", confessa. "Nunca havia pensado no assunto, e, quando percebi, decidi que não queria morrer em um hospital ou em casa. Morrer cercado pela natureza é imbatível", sentencia. [Reuters]

Postagens mais visitadas deste blog

Brinquedos pedagógicos reciclados para maternal e berçário

Link direto:
http://www.pragentemiuda.org/2015/07/brinquedos-pedagogicos-reciclados-para-bercario.html
Brinquedos pedagógicos reciclados para berçárioVou postar mais algumas dicas para trabalhar com reciclagem de materiais, esta para os professores de maternal e berçário. Esta dica é para fazer seus próprios brinquedos pedagógicos, usando material que você tem em casa. A sugestão aqui proposta tem o objetivo de fortalecer mãos e pulsos, explorar os níveis de habilidades motoras finas e grossas, a concentração, curiosidade de causa e efeito, entre outros benefícios. Dica daqui.
Eu amei esta dica acima, feita com latinha de leite e palitos de picolé pintados. Pra fazer basta encapara a latinha com papel. Depois corte fendas na tampa, para encaixar os palitos. Pinte os palitos com tintas coloridas. A ideia do brinquedo é que o bebê retire e empurre as fitas observando suas habilidades.
Vamos ver outras sugestões? Todas usando latinhas de leite em ninho, toddy, nesca…

"MONÓLOGO DAS MÃOS" ..... Giuseppe Ghiaroni

"Feliz aquele que transfere o que sabe, e aprende o que ensina."
de Cora Coralina

"MONÓLOGO DAS MÃOS" 

Giuseppe Ghiaroni 

Para que servem as mãos? 
 As mãos servem para pedir, prometer, chamar, conceder, ameaçar, suplicar, exigir, acariciar, recusar, interrogar, admirar, confessar, calcular, comandar, injuriar, incitar, teimar, encorajar, acusar, condenar, absolver, perdoar, desprezar, desafiar, aplaudir, reger, benzer, humilhar, reconciliar, exaltar, construir, trabalhar, escrever...... 

As mãos de Maria Antonieta, ao receber o beijo de Mirabeau, salvou o trono da França e apagou a auréola do famoso revolucionário; Múcio Cévola queimou a mão que, por engano não matou Porcena; foi com as mãos que Jesus amparou Madalena; com as mãos David agitou a funda que matou Golias; as mãos dos Césares romanos decidiam a sorte dos gladiadores vencidos na arena; Pilatos lavou as mãos para limpar a consciência; os anti-semitas marcavam a porta dos jude…

Cities After World War III

Apocalypse now: Russian artist transforms real-life photographs to show how cities might look after the end of the world 

By Suzzanah Hills
Last updated at 11:29 PM on 5th March 2012
You could be forgiven for thinking that these incredible images are simply scene grabs from a computer game or film depicting some imaginary and non-existent world.
But these pictures are actually photographs of modern-day cities around the globe that have been manipulated by Russian artist Vladimir Manyuhin.
Manyuhin starts with original snapshots and then adds digital decay and overgrowth to depict what well-known places on earth would look like after an apocalypse. This image from Russian artist Vladimir Manyuhin's Life after the Apocalypse is reminiscent of scenes from the 2007 film I am Legend By night: The same scene of a deserted city - minus some lions - with the sun slowly setting in the background Underground: Manyuhin has transformed a picture of a tube line in to a scene of destructio…