Pular para o conteúdo principal

As feridas não podem se fechar a menos que estejam abertas

 
 
As feridas não podem se fechar a menos que estejam abertas


Ferida aberta, por Skype NomadTodo mundo tem medo da intimidade — se você tem consciência disso ou não, é outra coisa. Intimidade significa expor-se perante um estranho — e somos todos estranhos; ninguém conhece ninguém. Somos estranhos até para nós mesmos, porque não sabemos quem somos.

A intimidade aproxima você de um estranho. Você tem de baixar todas as suas defesas; só então a intimidade é possível.

E o medo é tanto que se você baixar todas as suas defesas, todas as suas máscaras, quem sabe o que o estranho fará com você? Todos escondemos mil e uma coisas, não só dos outros mas de nós mesmos, porque somos produtos de uma humanidade doente, com todos os tipos de repressões, inibições, tabus.

E o medo é tanto que com alguém que seja um estranho — e não importa que você tenha vivido com a pessoa por trinta, quarenta anos: a estranheza nunca deixa de existir — parece mais seguro manter algum tipo de defesa, uma certa distância, porque o outro pode levar vantagem sobre as suas fraquezas, sobre as suas fragilidades, sobre a sua vulnerabilidade.

Todo mundo tem medo da intimidade. O problema se complica ainda mais porque todo mundo quer intimidade. Todo mundo quer intimidade porque, do contrário, estaríamos sozinhos no universo — sem amigos, sem um amor, sem alguém em quem confiar, sem ninguém a quem você possa abrir todas as suas feridas.

E as feridas não podem se fechar a menos que estejam abertas. Quanto mais você as esconde, mais perigosas elas se tornam. Elas podem se tornar cancerosas.

Por um lado a intimidade é uma necessidade essencial, portanto todo mundo anseia por ela. Você quer que a outra pessoa seja íntima, de modo que a outra pessoa abaixe as defesas dela, torne-se vulnerável, abra todas as suas feridas, derrube todas as suas máscaras e falsas personalidades, fique nua como ela é.

E, por outro lado, todo mundo tem medo da intimidade — você quer ser íntimo da outra pessoa, mas não abaixa as suas defesas. Esse é um dos conflitos entre amigos, entre pessoas que se amam: ninguém quer abaixar as próprias defesas e ninguém quer se expor em total nudez e sinceridade, abrir-se — e ambos necessitam de intimidade.

A menos que se dispa de todas as suas repressões, inibições — que recebeu da sua religião, da sua cultura, da sua sociedade, dos seus pais, da sua educação —, você nunca será capaz de ser íntimo de alguém. E você terá de tomar a iniciativa.

Mas se você não tiver nenhuma repressão, nenhuma inibição, então também não terá feridas. Se viver uma vida simples, natural, não existirá medo da intimidade, mas a excepcional alegria de duas chamas aproximando-se ao ponto de quase se tornarem uma única chama. E o encontro será imensamente gratificante, satisfatório, realizador.

Mas, antes de tentar chegar à intimidade, você deve limpar completamente a sua casa.

Apenas um homem que pratica a meditação pode permitir que a intimidade aconteça. Ele não tem nada a esconder. Tudo o que ele temia que alguém viesse a saber, ele próprio já deixou para trás. Em seu coração ele guarda apenas o silêncio e a compaixão.

Osho, em "Intimidade: Como Confiar em Si Mesmo e nos Outros"
Imagem por Skype Nomad
Publicado no blog palavras de Osho
Pratique as meditações de Osho - conheça as técnicas e espaços Osho





__._,_.__

Postagens mais visitadas deste blog

Brinquedos pedagógicos reciclados para maternal e berçário

Link direto:
http://www.pragentemiuda.org/2015/07/brinquedos-pedagogicos-reciclados-para-bercario.html
Brinquedos pedagógicos reciclados para berçárioVou postar mais algumas dicas para trabalhar com reciclagem de materiais, esta para os professores de maternal e berçário. Esta dica é para fazer seus próprios brinquedos pedagógicos, usando material que você tem em casa. A sugestão aqui proposta tem o objetivo de fortalecer mãos e pulsos, explorar os níveis de habilidades motoras finas e grossas, a concentração, curiosidade de causa e efeito, entre outros benefícios. Dica daqui.
Eu amei esta dica acima, feita com latinha de leite e palitos de picolé pintados. Pra fazer basta encapara a latinha com papel. Depois corte fendas na tampa, para encaixar os palitos. Pinte os palitos com tintas coloridas. A ideia do brinquedo é que o bebê retire e empurre as fitas observando suas habilidades.
Vamos ver outras sugestões? Todas usando latinhas de leite em ninho, toddy, nesca…

"MONÓLOGO DAS MÃOS" ..... Giuseppe Ghiaroni

"Feliz aquele que transfere o que sabe, e aprende o que ensina."
de Cora Coralina

"MONÓLOGO DAS MÃOS" 

Giuseppe Ghiaroni 

Para que servem as mãos? 
 As mãos servem para pedir, prometer, chamar, conceder, ameaçar, suplicar, exigir, acariciar, recusar, interrogar, admirar, confessar, calcular, comandar, injuriar, incitar, teimar, encorajar, acusar, condenar, absolver, perdoar, desprezar, desafiar, aplaudir, reger, benzer, humilhar, reconciliar, exaltar, construir, trabalhar, escrever...... 

As mãos de Maria Antonieta, ao receber o beijo de Mirabeau, salvou o trono da França e apagou a auréola do famoso revolucionário; Múcio Cévola queimou a mão que, por engano não matou Porcena; foi com as mãos que Jesus amparou Madalena; com as mãos David agitou a funda que matou Golias; as mãos dos Césares romanos decidiam a sorte dos gladiadores vencidos na arena; Pilatos lavou as mãos para limpar a consciência; os anti-semitas marcavam a porta dos jude…

Cities After World War III

Apocalypse now: Russian artist transforms real-life photographs to show how cities might look after the end of the world 

By Suzzanah Hills
Last updated at 11:29 PM on 5th March 2012
You could be forgiven for thinking that these incredible images are simply scene grabs from a computer game or film depicting some imaginary and non-existent world.
But these pictures are actually photographs of modern-day cities around the globe that have been manipulated by Russian artist Vladimir Manyuhin.
Manyuhin starts with original snapshots and then adds digital decay and overgrowth to depict what well-known places on earth would look like after an apocalypse. This image from Russian artist Vladimir Manyuhin's Life after the Apocalypse is reminiscent of scenes from the 2007 film I am Legend By night: The same scene of a deserted city - minus some lions - with the sun slowly setting in the background Underground: Manyuhin has transformed a picture of a tube line in to a scene of destructio…